sábado, 15 de dezembro de 2012

WT Pipeline 2012 – resumo final, Parko campeão mundial

Pipe Maters 2012
O campeonato mais esperado do ano. O ranking final e a (des)qualificação para o World Tour do ano seguinte. A decisão do título mundial.

O formato desta etapa é completamente diferente de todas: a primeira fase é disputada pelos últimos 12 ranqueados no WT, 8 classificados pelo Volcom PipeMasters (uma espécie de triagem), mais 4 convidados pela ASP e patrocinadores – um deles foi Dane Reynolds. Nesta fase Jadson André perdeu para Jamie O'Brien, Ricardo dos Santos venceu Dusty Paine com um belo show e Taylor Knox, mais de 20 anos no tour e ícone do esporte, foi aposentado após perder para Billy Kemper, campeão havaiano em 2010.

A 2ª fase se compôs dos vencedores da 1ª fase mais os ranqueados entre os 13º e 24º lugares. Alejo Muniz perdeu sua bateria para Shane Dorian e suas chances de ser o primeiro brasileiro campeão da Tríplice Coroa Havaiana. Ricardo dos Santos caiu em uma onda importante e perdeu para Bede Durbdige. Miguel Pupo, ao contrário do ano passado, estava bem fisicamente e passou com alguma facilidade por Adam Melling; com esse resultado, o título da coroa ficou com Sebatien Zietz (vide as outras postagens sobre os campeonatos no Hawaii). Heitor Alves caiu contra o defensor do título do Pipe Masters, Kieren Perrow (KP) e cometeu interferência em sua primeira onda, e acabou perdendo.

A 3ª fase poderia decidir o título. Sete dos top 12 perderam, incluindo o favorito, JJF. Adriano de Souza caiu contra Dane Reynolds, que conseguiu a primeira nota 10 e manteve sua invencibilidade contra o Mineirinho. Kolohe Andino, que surpreendeu ao passar pelas duas primeiras fases, teve sua nota mais alta nesta fase, surfou contra Gabriel Medina, que fez a melhor média até então. Miguel Pupo pegou talvez o melhor tubo de um goofy em backdoor e passou por Jeremy Flores, Pipe Master em 2010. Fanning perdeu para Shane Dorian, que também fez os comentários na transmissão, e despediu-se da etapa e não tem mais chances de ser campeão.

A 4ª fase manteve-se como nas outras etapas: não-eliminatória, três surfistas, um qualificado direto para as quartas de final, o restante teve que disputar a 5ª fase. Começou após quatro dias de espera por melhores condições, mas o mar estava bem esquisito, com ondulações de direções diferentes e mexido. O upgrade ficou por conta da presença de Tom Carroll e Gerry Lopez como comentaristas esporádicos. Quanto à competição, Medina e Pupo não conseguiram avançar, assim como o Slater. Josh Kerr, depois de sua bateria, foi ao hospital, ganhou alguns pontos, e voltou pro campeonato.

A 5ª fase os Hobgoods passaram por KP e Dane Reynolds, wild card da Vans e único a conseguir um 10. Medina perdeu por um ponto para o desesperado Yadin Nicol, mas mostrou a que veio, com uma atuação digna de elogios de gente de prestígio. Miguel Pupo teve que encarar o Slater, que o deixou em combinação com 10 minutos de bateria; MP saiu da combinação com um tubaço em Backdoor, mas não conseguiu a segunda nota.

Nas três primeiras baterias das quartas de final as ondas pioraram. Damien Hobgood venceu Zietz, enquanto seu irmão perdeu para Parko; Josh Kerr ganhou de Yadin Nicol, que precisava chegar à semi-final pra se manter no tour; Shane Dorian, wild card da Billabong, e Slater fizeram uma das melhores, senão a melhor bateria do campeonato: 18.74 a 18.20 pro Kelly.

As semifinais foram tensas: Parko e Dammo se revezaram algumas poucas vezes na liderança da bateria, mas, nos últimos 5 minutos, Joel só fez melhorar suas notas, eliminando o último goofy do campeonato; Slater e Kerr tiveram que encarar a que talvez tenha sido a pior meia hora do mar. Josh pegou uma pra Backdoor no primeiro minuto que lhe rendeu 9.20, e todas as outras ondas, inclusive as de Slater, fecharam, e o fizeram perder pela segunda vez, no mesmo dia, para o mesmo cara. Talvez Cheyne Horan tenha torcido para Parko não quebrar seu recorde de 4 vices, mas o fato é que, finalmente, e merecidamente, ele se tornou campeão mundial, e o fez em grande estilo, mesmo com um tanto de champanhe nas ideias, ao ganhar também o Pipe Masters na final contra Kerr, com boas ondas. Sua conquista só não foi maior por não ter sido diretamente contra Kelly na final, como o fez Andy Irons em 2003. Porém, como já disse Nick Carroll, ele é muito bom para não estar lá (na lista dos campeões mundiais).

Nenhum comentário: