sábado, 24 de dezembro de 2011

World Tour 2011 - retrospectiva surf

Este ano iniciou-se uma nova fase com a entrada no WT de Alejo Muniz e, após o corte do meio do ano, do Gabriel Medina e Wagner Pupo.
Foi também um recomeço por conta da volta aos grandes palcos, estrelando Rio de Janeiro, além dos estreantes Nova Iorque e São Francisco. Um recomeço para Raoni Monteiro e Heitor Alves, dois dos nossos sete representantes no tour, que, por motivos diversos, estiveram na elite, caíram e voltaram.
Foi o fim para um americano no WT: Bobby Martinez. Também ganhou o prêmio polêmica do ano [culpa da ASP, que coloca chifre em cabeça de cavalo). Sem papas na língua, mas com excesso de fuck em seu discurso, destilou todo seu desagrado com o sistema implantado ano passado (o corte no meio do ano e a (semi-)unificação dos rankings].
Por fim, houve uma repetição: o campeão, pela 11ª vez, Slater - que, diga-se de passagem, perdeu duas vezes para o Medina (França e São Francisco) e outras duas para o Mineirinho (Bells, de lavada, e Portugal).
Polêmicas
◊ Erro de cálculo, por parte do algoritmo usado no programa da ASP dá o título ao Slater antes da hora. Algumas cabeças rolariam, mas acabou que foi só a do CEO da ASP, Brodie Carr.
◊ Jeremy Flores convidado para o Eddie Aikau. Como assim? Normalmente, os big-riders passam anos surfando ondas grandes/gigantes até serem honrados com um convite desses. E nem todos ganham, já que as vagas são limitadas. Tudo bem que ele teve uma atuação de destaque em Teahupo'o e faturou o PipeMasters de 2010, mas isso, apesar de muito, não é suficiente para ganhar uma vaga. Bola fora da Quiksilver, patrocinadora do evento.

◊ Uma que ficou por conta dos australianos: o floater insano do Mineirinho nas quartas de final (etapa do Rio) contra um aéreo meia-boca do Owen Wright. Mais uma prova da falta de noção dos aussies. Totalmente desnecessário.


Pra finalizar a postagem:

domingo, 13 de novembro de 2011

Brazzo invasion

Por conta de trabalho e faculdade ficou complicado, mas finalmente escreverei alguma coisa sobre a invasão brasileira ao topo do pódio nas etapas européias e americanas do World Tour.
Resumo: Gabriel Medina ganhou na França; Mineirinho ganhou em Portugal (já tinha ganho no Brasil); Miguel Pupo ganhou o 6 estrelas em Santa Cruz; Medina ganhou novamente em São Francisco.
Resultado: o mundo (do surf) em choque. Matérias sobre campeonatos nas revistas e sites costumam ser quase iguais, pois apenas transcrevem o que sai no site da ASP. Algumas poucas publicam artigos e/ou colunas diferenciadas, mas quase sempre tem um ranço contra os "brazzos", como os gringos nos chamam. Desta vez, porém, mesmo a xenófoba Australian Surfing Life publicou um texto com uma imagem nossa positiva. Chama-se Algo como um fenômeno, a qual fala mais especificamente sobre o Medina. Publicações portuguesas também sairam do lugar-comum pra falar sobre ele, o que não é de se estranhar, já que ele mesmo não é comum: com 17 anos, e tendo competido em apenas 4 etapas como membro da elite, já faturou 2 campeonatos. Nem Ke11y Slater foi tão rápido! No twitter, 'milhões' escreveram sobre os brasileiros. De Jamie O'Brien a Shea Lopez, colunista da famosa Surfer Magazine, e 'trocentos membros da elite. Além dos nacionais Júlio Adler e Ricardo Bocão, entre outros. Estamos vivendo o "Busting down the door" tupiniquim, e é algo bonito de se ver.

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

From Russia with love

Uma país que não tem a menor tradição no mundo cervejístico parece produzir algumas boas. Já vi uma matéria em algum site em que dizem que até as vendidas em garrafas pet são boas. Só bebendo pra crer.

Essa semana recebi um e-mail com um título que remetia à pornografia: Já viu uma Oxota aberta? Nem abri no trabalho, deixei pra fazer isso em casa, ambiente mais seguro e à prova de chefas que adoram chegar nas horas mais impróprias. Vi que se tratava da cerveja da foto aí ao lado. Fui no google pesquisar sobre a dita cuja; há tantos sites falando sobre ela que deixei de lado, mas ainda hei de importar e provar uma autêntica oxota russa =)

sábado, 29 de outubro de 2011

Anthrax & Andreas Kisser

Não tenho acompanhado o noticiário metalístico, por isso foi uma surpresa descobrir que o Andreas Kisser, guittarrista do Sepultura, substituiu o Scott Ian por um breve período. Scott estava afastado para poder gozar de uma merecida "licença paternidade" =) Segue um vídeo de um dos shows do Big 4.

sábado, 15 de outubro de 2011

SUP com estilo

SUP - Stand Up Paddle - tornou-se mania internacional. Há quem o pratique até em rios pela Europa. Mas há quem não desça do salto...

sábado, 24 de setembro de 2011

A recompensa dos bravos

148 mal encarados deixaram apenas 2 lugares vagos em uma sala de cinema belga. Alguns casais quase saem correndo, outros ficam em dúvida se ficam (e acabam indo embora). Outros ficam, e pra estes há a recompensa oferecida pela Carlsberg.

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

sábado, 20 de agosto de 2011

O Taiti bem que poderia ser aqui

Hoje começou a etapa do World Tour no Taiti. As ondas estão favoráveis, principalmente para os goofies - a razão disto você compreenderá neste link - e a previsão é de que ficará realmente grande nos próximos dias. Os brasileiros estarão nas baterias 3, 5, 7, 9 e 12, sendo que na 5 tem dobradinha: Raoni Monteiro e Ricardo Santos, este último o vencedor das triagens, único tupiniquim a realizar tal feito (Bruno Santos ficou em 2º no ano em que ganhou o campeonato).

Duas ausências serão sentidas: Dane Reynolds, o inovador; e Bobby Martinez, que anda de mal com a ASP há tempos, e resolveu que largará o tour após a etapa em Nova Iorque, conforme diz em sua entrevista ao blog da Channel Islands Surfboards.

Só pra lembrar: a diferença de fuso horário é de sete horas a menos, ou seja, o campeonato começará às 14h.

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Surfista e ativista

Quando surfista e ativista são sinônimos, ou, quando surfar é mais do que mandar cut-backs, aéreos e hang-fives.

A entrevista com Dave Ratovisch, na Surfer, é interessante e vale a pena ler.

terça-feira, 2 de agosto de 2011

Ondas em chamas

Na verdade, parece que a prancha do Bruce Irons está em chamas, o que dá um efeito muito bacana quando filmado de manhã cedo ou no fim da tarde. Eu sei que não é muito original ficar postando vídeo após vídeo, mas esse eu não podia deixar passar.

terça-feira, 5 de julho de 2011

sábado, 18 de junho de 2011

Cervejas havaianas

 
Estava eu de bobeira, me recuperando de uma leve ressaca e vendo o campeonato que está rolando em Portugal, quando, do nada, me surgiu a idéia de pesquisar sobre cervejas fabricadas no Havaí. Encontrei o sítio BeerMe, que tem a pretensão de listar todas as cervejarias do mundo. Auxiliado pelo gúgol, visitei as páginas de diversas marcas. De todas que vi, as que mais me chamaram a atenção foram a Kona Brewing Co. e a Maui Brewing Co..
Creio ser muito improvável encontrar alguma cerveja fabricada por estas companhias aqui no Rio (talvez em sampa, meu?), mas vou procurar mesmo assim (¨,)

sábado, 21 de maio de 2011

Rio Surf Pro

Rio Surf Pro 2011Pelo segundo ano consecutivo, um brasileiro ganha a etapa do World Tour em águas nacionais. Mineirinho, com esta vitória, torna-se, em 25 anos de história, o primeiro brasileiro a liderar o ranking do circuito. Esta foi, até agora, a etapa com a maior premiação já realizada, num total de US$500.000.

O evento foi um sucesso de público, o que parece ser a tendência da ASP: "voltar para o conceito criado nos anos 80 de enfiar a surfistada num beach break qualquer com boa fama", como disse o Júlio Adler no site da Hardcore. As ondas não estiveram grande coisa, de fato. Pode acontecer em qualquer lugar do mundo, mesmo os melhores (vide Teahupoo/2010, Pipeline/2008, Mundaka/2008, Bells/2003, etc.), mas é muito mais comum em lugares como o Rio. Sobre isso, Slater comentou que "talvez para os fãs seja bom, mas para os surfistas é um pouco frustrante, porque fica mais tático, as notas caem muito, você não pode ter uma performance tão boa. É difícil." A etapa de Nova Iorque deve sofrer a mesma crítica, mas oferecerá US$1 milhão em premiação, desbancando a do Rio no aspecto financeiro. Sobre ela Slater disse que "vai estar flat, vai ser horrível"...

Outro ponto muito discutido foi o critério de julgamento. Em todas as publicações online a que tive acesso, este é o tema principal, e, para minha surpresa, de modo geral, a discussão tem sido educada, não se encontrando muitos "suck" e "fuck" dirigidos aos brasileiros - não se pode dizer o mesmo em relação aos juízes e à ASP, tanto que esta última publicou uma matéria depois de ter visto um número imenso de questionamentos pipocarem na grande rede.

Com isso tudo, a etapa não foi um sucesso de crítica, ou melhor, foi um sucesso no número de críticas recebidas. Mas não tirou o brilho de diversos momentos, como as visitas que vários tops fizeram ao Favela Surf Clube, à Rocinha, e outros mais, devidamente documentados pelos meios de comunicação virtual. Ano que vem deve ficar melhor e, se Iemanjá quiser, com ondas mais apropriadas a um evento deste porte.

Outros detalhes:
- O Vasco mandou fazer uma camisa pro Slater, mas o Flamengo se antecipou e entregou-lhe uma antes.
- A Billabong mandou bem ao colocar entre os gringos um comentarista que viveu alguns anos no Brasil: Gary Linden, famoso shaper e C.E.O. do Big Wave World Tour.
- O canal Sportv comprou os direitos de transmissão, mas não transmitiu a final; em vez disso, colocou uma reprise de algum jogo insosso por aí.
- Entre a última semi-final e a final, rolou uma bateria com alguns 'dinossauros' do surf nacional: Otávio Pacheco, Ricardo Bocão, Daniel Friedman e Rico de Souza. Clássico dos clássicos.

sábado, 30 de abril de 2011

Billabong XXL 2011

Danilo Couto: onda do ano 2011 Não é que o bom baiano Danilo Couto ganhou o prêmio mais importante: Onda do ano? Ele também concorria na categoria Monster paddle maior onda na remada. Rodrigo Coxa concorria na categoria maior onda, mas um francês conseguiu ser mais sinistro que ele. Everaldo 'Pato' concorria na de Maior vaca, só que um australiano fez a façanha de se ferrar mais que ele. Depois de 4(!) prêmios seguidos, Maya Gabeira não foi agraciada com o prêmio. A lista dos ganhadores é a seguinte:
Onda do ano: Danilo Couto
Maior onda: Benjamin Sanchis
Maior onda na remada: Shane Dorian (novo recorde mundial: 57 pés)
Tubo mais sinistro: Shane Dorian (de novo ele...)
Vaca mais sinistra: Mark Mathews
Feminino: Keala Kennely

domingo, 24 de abril de 2011

O sino das ondas

Link para o site do Bells Beach 2011


O Bells Beach Pro, campeonato de surf mais antigo em atividade, encerrou hoje sua 50ª edição. Válida como a 2ª etapa do world tour masculino e feminino, aconteceu em ondas de até 2,5m e boa formação. Com esse tamanho todo, o surf progressivo, cheio de aéreos e cambalhotas outras, deu lugar ao surf de linha, power, e foi bonito de se ver.

No feminino, a vitória foi do fenômeno Sally Fitzgibbons (só notas acima de 9!) e a Silvana Lima ficou em 3º. A Jacqueline Silva sofreu um acidente de carro antes do começo da competição e deve voltar em 6 meses.

No masculino, vimos o Raoni perder na 2ª fase (de novo...). O Heitor Alves ficou em 13º, mas teve uma atuação perfeita na 1ª fase. Alejo Muniz passou direto da 1ª para a 3ª fase, onde perdeu pro Jadson André, que, por sua vez, surpreendeu a quem costuma criticar seu surf de backside e chegou às quartas - perdeu pro vice, Mick Fanning, após ganhar de Tiago Pires nas oitavas. Mineirinho ficou em 3º e deu um fumo no Slater nas oitavas (18.00 x 11.24). O grande vencedor foi Joel Parkinson, autor da única nota 10 do campeonato (na última onda da final). O ranking está assim:

1 Kelly Slater 15200
2 Joel Parkinson 14000
3 Jordy Smith 13000
4 Adriano De Souza 10500
4 Tiago Pires 10500
...
9 Alejo Muniz 6950
9 Jadson André 6950
19 Heito Alves 3500
33 Raoni Monteiro 1000

A próxima etapa será o Billabong Pro Rio, de 11 a 22 de maio. Distribuirá US$500.000 e terá à sua disposição o Arpoador, o Canto do Recreio e a Barra da Tijuca.

terça-feira, 29 de março de 2011

The Alexandria Quartet

The Alexandria QuartetNão se trata da tetralogia de Lawrence Durrell, mas de uma banda da Noruega que descobri meio que sem querer (provavelmente no blogue Amor Louco ou no sítio New Album Releases). Como eu não sou lá grande coisa pra descrever bem sons do tipo que eles fazem, segue uma tradução tosca do que li no MySpace deles: "Algumas faixas são uma parede de guitarras bluesy, algumas calmantes, com clássicos tons pop evoluindo para um êxtase psicodélico, mas cada uma mantendo as características inconfundíveis do grupo". "Contam histórias que são perfeitamente adequados para os locais escuros do Reino Unido, com toneladas de fumaça e de um bom e velho rock".
Gostei da banda na primeira audição e, depois de muitas outras, continuo gostando (aliás, estou ouvindo agora).

quinta-feira, 3 de março de 2011

Para quem gosta de Rock: Lobão na Transamérica.

Graças ao meu chapa Angelo Cuissi, ouvi isso hoje.
Lobão na rádio Transamérica de SP.
Tem de tudo: porrada em todo mundo e muitas coisas interessantes que fazem pensar.
É longo, mas vale muito a pena ouvir.
Se você gosta de Rock: ouça!!!!!!!!
Será que ser roqueiro é sinônimo de ser burro!!!!
Acho que não.
Quero ver comentários!!!!!!!!!
Nós pensamos ou não??????

sábado, 26 de fevereiro de 2011

WT 2011 - O começo

Quiksilver & Roxy Pro Gold Coast 2011
Começou hoje a primeira etapa do World Tour 2011, que acontece na Gold Coast, Austrália, válida para os circuitos masculino e feminino. As ondas estão muito abaixo do que Snapper Rocks pode oferecer, curtas, pequenas e sem força, mas realizaram a primeira fase assim mesmo.

No masculino, veremos os 5 brasileiros tentarem se reabilitar na 2ª fase (repescagem). Não houve nenhuma grande surpresa nos resultados das 12 baterias, os favoritos fizeram seu papel, os medianos fizeram os deles e por aí vai. Gostei de ver o Tiago Pires ter a 4ª melhor média do dia.

No feminino, nossas representantes, Jaqueline Silva e Silvana Lima, ganharam suas baterias e vão direto para a terceira fase. A campeã Steph Gilmore perdeu sua bateria, mas isso não foi exatamente uma surpresa, já que a vencedora foi Tyler Wright, bastante elogiada no divertido blog do Nick Carrol, que está trabalhando como comentarista do evento.

O campeonato tem até o dia 9 pra acabar, só esperamos que as ondas melhorem.

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Museu do Surf de Cabo Frio terá sede própria

O Museu do Surf de Cabo Frio vai ganhar, em breve, uma sede. O prefeito da cidade, Marquinho Mendes, anunciou no início de janeiro a construção do prédio, na Praia do Forte, em frente ao Teatro Municipal. Ao lado, será construído um aquário público, semelhante ao de Santos, em São Paulo.

O início das obras está previsto para março, e elas devem durar três meses. A sede terá sala de cinema, biblioteca, café, acesso à internet, loja de souvenirs, loja de produtos de surfe, restaurante e bar temático, além da área de exposições. O museu foi criado pelo longboarder Telmo Moraes, que há 13 anos começou a colecionar pranchas. Hoje, o acervo conta com cerca de 600 delas, além de documentos e livros, e já foi visitado por quase 200.000 pessoas. Segundo Telmo, a mudança será uma vitória para a cidade, por tratar-se de um dos cinco museus mais importantes do gênero no mundo.

— Você consegue imaginar um museu que fala de surf longe da praia? Nem eu. Mas tive que ficar por aqui (Rua Jorge Lóssio, no Centro) por falta de opção. Agora vamos para um lugar adequado, de frente para o mar — comenta Moraes, que surfa diariamente na Praia do Forte.

O museu já está inserido, ao lado de outras 300 instituições fluminenses, no portal Museus do Rio (www.museusdorio.com.br). No acervo, estão peças nacionais e internacionais, que vão do final da década de 40 até os dias de hoje.
Fonte: O Globo

sábado, 5 de fevereiro de 2011

Cabeça de motor

Motorhead: the world is yoursAcabou de ser lançado o último disco do Motörhead, The world is yours, e é mais um dos bons. Lemmy, do alto dos seus 65 anos, continua com a voz de sempre, o peso continua, a inspiração permanece. O álbum não tem uma música que valha o trabalho de apertar o foward, e uma (Born to lose) ou duas (Brotherhood of man) talvez entrem em coletâneas futuras.
Na modesta opinião deste que digita estas linhas, o Motörhead é como um irmão mais velho (e mais 'violento') do AC/DC: os anos passam, mas o som continua basicamente o mesmo. Neste ano eles passarão por nossas terras duas vezes. Em abril, tocarão em São Paulo (16), Curitiba (17), Floripa (20) e Brasília (22). O Rio ficou de fora, mas tudo bem, pois estão confirmados para o Rock in Rio (dia 25), junto com Metallica, Slipknot, Coheed and Cambria (nunca ouvi falar), Sepultura e Angra. Vamos que vamos.